Mercado de Criptomoedas

Quem acompanha o mercado de criptomoedas, mesmo que não invista, com certeza já foi surpreendido pelos altos e baixos de moedas digitais no noticiário. A mais famosa é o Bitcoin, mas muitas outras também são relevantes para os investidores. Mas afinal, como funcionam esses ativos e como você pode negociá-los? Preparamos um guia para te ajudar a conhecer o mundo das moedas digitais. Isso porque trata-se de uma classe de ativos nova no mercado e que gera muitas dúvidas em quem ainda está aprendendo.

Continue a leitura para conferir.

O que são criptomoedas?

Primeiramente, entenda que uma criptomoeda é um tipo de dinheiro, com a diferença de ser totalmente digital. Além disso, ela não é emitida por nenhum governo, como acontece com o real ou do dólar, por exemplo. Com o Bitcoin você pode transferir fundos de A para B em qualquer parte do mundo sem jamais precisar confiar em um terceiro para essa simples tarefa.

Outro ponto importante é que, embora o Bitcoin seja a moeda digital mais conhecida, o conceito de criptomoeda é anterior a ele. Isso porque as criptomoedas foram descritas pela primeira vez em 1998 por Wei Dai, que sugeriu usar a criptografia para controlar a emissão e as transações realizadas com um novo tipo de dinheiro.

Mercado de criptmoedas: Como funciona a variação de preço?

Resumidamente, o preço das moedas digitais varia de acordo com a lei da oferta e da demanda. Sendo assim, quando as criptomoedas ganham mais atenção, é normal que elas sejam mais procuradas pelos investidores, o que amplia o volume de compras. Consequentemente, os preços tendem a subir.

Também tenha em mente que existe somente um número limitado de bitcoins em circulação e novos Bitcoins são criados em uma taxa previsível e decrescente, o que significa que a demanda deva seguir este nível para manter seu preço estável.

Principais criptomoedas

Ainda que o Bitcoin seja a moeda digital mais conhecida, existe uma variedade de outros tipos, cada uma com características distintas. Confira quais são as principais criptomoedas disponíveis no mercado:

Bitcoin: Estamos falando do primeiro sistema de pagamentos global totalmente descentralizado. Foi desenvolvido em 2008, em meio à crise financeira global iniciada no mercado americano de hipotecas. O objetivo era substituir o dinheiro de papel, além de eliminar a necessidade da presença de bancos para intermediar operações financeiras.

Além disso, foi estipulado pelos criadores que haverá no máximo 21 milhões de bitcoins em circulação. Estima-se que a última moeda será minerada no ano de 2140.

Bitcoin Cash: Trata-se de uma nova versão do Bitcoin original, criada mais recentemente – em agosto de 2017. Ela foi desenvolvida buscando aperfeiçoar a primeira moeda, que conta com taxas consideradas elevadas e demanda um tempo grande de processamento de cada operação.

Vale ressaltar que a principal diferença é que o Bitcoin Cash possui um limite de tamanho de bloco de 8MB, bem maior que o de 1 MB do Bitcoin original. Sendo assim, as confirmações das transações podem acontecer de maneira mais rápida e também com taxas mais baixas. Isso garante a ela uma escala ainda maior que a da sua predecessora.

Ethereum: Há algumas semelhanças, mas também diferenças, entre o Bitcoin e o Ethereum (ETH). O nome da moeda digital original, na verdade, era Ether. Porém, em 2016, um hacker encontrou uma falha no sistema e, a partir dela, conseguiu roubar o equivalente a US$50 milhões em Ether. Com isso, a comunidade que a mantinha optou por criar uma nova rede.

Foi então que o Ether original – alvo do roubo – passou a ser chamado de Ethereum Classic. Atualmente, com o apoio da comunidade, ela vale mais que a sua primeira versão.

Da mesma forma como acontece com o Bitcoin, a criação de novas moedas também se baseia no processo de mineração. Hoje em dia, o Ethereum está entre as criptomoedas mais negociadas do mundo.

Tether: Ao contrário do Bitcoin e outras moedas digitais, o Tether (USDT), é uma stablecoin, porque possui um lastro em uma moeda física. Então, a proposta dessa criptomoeda é de manter uma paridade com o dólar americano. Isso significa que, para cada Tether emitido é preciso haver um dólar equivalente em caixa.

Entretanto, especialistas questionam a paridade, já que a empresa não oferecia transparência sobre como fazia para segui-la. Em 2019, foi anunciado que nem todo Tether está realmente lastreado em um dólar. De acordo com a empresa, 100% deles são garantidos, mas não apenas por moeda tradicional, como também por equivalentes de caixa e outros ativos ou recebíveis de empréstimos feitos pela Tether a terceiros.

Tudo isso faz com que o Tether seja uma moeda estável que representa moedas físicas no mundo digital. Devido à menor volatilidade, ele se tornou uma boa opção para realizar transferências entre sistemas e com diferentes criptomoedas. É assim que investidores se protegem das variações de preço de outros ativos e evitam o risco de ter perdas significativas durante essas operações.

Ripple: Por fim, o Ripple (XRP) é um protocolo de pagamento distribuído criado em 2011, e a moeda desse sistema é a XRP. Uma das principais características da plataforma Ripple é suportar na sua rede outros tokens representando moedas tradicionais e até mesmo outros bens. A ideia é que o sistema permite realizar pagamentos seguros e instantâneos.

Não se trata apenas de uma moeda, mas de um sistema em que qualquer moeda – incluindo a criptomoeda mais conhecida, o Bitcoin – possa ser negociada. De certa forma, o funcionamento Ripple é similar em algum grau ao dos bancos, por aceitar vários ativos e facilitar a realização das transações.

Justamente por isso, o Ripple segue na contramão do discurso sobre as moedas digitais em geral, que têm como ideal a não dependência do sistema financeiro tradicional para realizar operações.

Por fim, mais uma característica diferente do sistema é que não há um processo de mineração, como no caso do Bitcoin e do Ethereum.

Como investir no mercado de criptomoedas

Há algumas maneiras de investir ou adquirir criptomoedas. Por exemplo, é possível comprar cotas de fundos de criptomoedas, negociá-las diretamente em uma corretora especializada (também conhecida como exchange), aceitando as moedas digitais como pagamento em algum negócio ou ainda minerando.

Entenda que adquirir cotas de fundos é uma das formas mais simples.

Também é possível investir em criptomoedas através de ETFs (Exchange Traded Funds). Ou seja, um fundo de investimento que é negociado na bolsa de valores como uma ação.

Outra maneira relativamente simples de investir em Bitcoins e outras criptomoedas é por meio de uma corretora especializada. vale ressaltar que você encontra algumas casas no Brasil, chamadas de exchanges, que oferecem esse tipo de serviço.

O que achou das dicas? Pensa em investir no mercado de criptomoedas? Deixe seu comentário.

Curtiu esse conteúdo? Não se esqueça de compartilhar!

Facebook
Twitter
LinkedIn
Telegram
WhatsApp
Email

Continue navegando

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

plugins premium WordPress